domingo, 9 de setembro de 2007

motivo

Eu ligo o computador pra escrever e só me sai sentimentalismo. Nesse aspecto, eu pareço a Tati Bernardi com essa obsessão pela tecla A. Continuando o plágio então, chega. Vamos dar um tempo pra pobre tecla gasta. Eu continuo não gostando de maiúsculas, e sendo intimista demais e usando a primeira pessoa pra tudo, porque também, não sejamos tão radicais. O caso é que me apareceu bordado em letras de revista um velho novo motivo.
Eu ando mesmo entupida dessas aulas de humanas. Se tem alguma coisa boa, estupidamente boa, nesse terceiro ano, é isso. Esses zilhões de aulas que me entopem de informação e de um conhecimento que quase ninguém mais quer saber. E eu acabo falando pro vento que não sou dessa geração. Disse e redisse: eu queria mesmo era sair por ai com flores no cabelo cantando Beatles e Janis; queria um grupo anti-ditatorial, anti-censura, anti-opressões; queria ter a cara pintada pra tirar o presidente do poder. Mas o fato é que ninguém faz nada. E ninguém faz a revolução sozinho. Eu olho pro lado e só vejo desinteresse. Dos meus amigos, eu contaria no máximo uns dois. O resto é só palavra. E talvez, até mesmo eu. Como diria o orkut, eu faço parte de um grupo de revolucionários preguiçosos. Que passam o dia inteiro olhando comunidades do orkut e pensando como seria bonito se alguém fizesse alguma coisa. Um bando de adolescentes de classe média com nada, ou pouca coisa, na cabeça. E talvez eu até seja um desses hipócritas que tem gritado cansaço. Cansados... Cansados de quê? De ficarmos parados, braços cruzados, assistindo o Bonner anunciar mais miséria, mais corrupção, mais desgraça? É, desgraça, desgraça mesmo, essa palavra feia. Porque tá tudo feio por aqui.
Eu morro de medo de ter filhos. Eu não quero que eles vivam no caos que o mundo vai virar. Não que já não seja, mas tudo tende a piorar. Eu acredito sim no colapso do sistema, no fim do capitalismo. Mas quando um sistema cai, o mundo desmorona. Demora séculos pra se readaptar. E isso sem falar nas causas ambientais. Eles não vão ter água potável, nem ar puro, nem Amazônia, nem estrelas pra contar, e nem paz. A não ser que as coisas sejam revertidas a tempo. Porque eu não acredito que ainda haja tempo. E não é pessimismo da minha parte não, desculpa. É realismo. É como eu li na Carta Capital, aqueles que não se contentam com a mediocridade e a injustiça são sempre considerados pessimistas. Deveriam existir muito mais pessimistas então.
Meus professores têm dito que é tudo falta de ideologia. Eu concordo. Falta ideologia pra maioria, e coragem pros poucos que já tem. Essa é uma das razões da minha escolha maldita. Meu pai estava completamente certo, eu só quero ser igual o Cazuza. Eu sou impregnada dessa mania nojenta de ideais. Eu quero botar meu bloco na rua, e escancarar a verdade feito um tapa na cara de cada um de vocês. Eu quero deixar de preguiça e ler todos os Marx e Neruda e Pessoa que eu puder, pra ter alguma coisa pra falar. Porque eu quero falar tanto, eu quero gritar tanto, eu quero escrever tanto a letra A, que já fico rouca antes da hora.

7 comentários:

Aline disse...

na verdade, são três amigos pessimistas, você que nunca me perguntou.
pensei que não ia achar mais ninguém que pensasse assim. :/

Aline disse...

http://teoriadascordas.blogspot.com/2007/06/ai-6.html#links

vc já tinha lido este? lê qdo tiver um tempo..

Aline disse...

ah débrah! to só esperando você então, porque, realmente, ninguém faz revolução sozinho, o que é uma pena. :/
que bom que vc gosto do texto :$
ah dá até vergonha :P
iaueoaiueaoieua, sério..

ahh! abri os comentários só pra saber sua opinião, agora que eu não tenho mais orkut e não posso mais saber por lá :P

e tô esperando pra ver a sua versão de quererendo :}

:**

Aline disse...

ain debráh, precisava estudar ://
tava virando uma viciada em vasculhar a vida alheia :P

ai, por causa disso, abri os comentarios do fotolog, e pra qm le o blog (você) abri os do blog tb :D
pode ficar tranquila, nao vou fechar, juro!

põe elogios nisso, mas elogios merecidos ;x
:**

bruno:cunha disse...

...

bruno:cunha disse...

eu tava deitad com o laptop em cima do peito lendo esse post.
essa leitura seria a última coisa que ia fazer antes de dormir, mas acabei decidindo colocar um comentário depois de perceber que o laptop continuava quicando em cima do peito mesmo quando eu prendia a respiração.
já vi muita gente legal e muito pensamento bacana acabar por falta de incentivo e excesso de opinião errada.
posso não ter uma opinião muito certa mas pode contar comigo pro incentivo!

gAlan disse...

sem descanso. e sem voz.